Materiais Básicos Para Iniciar

Frequentemente recebo perguntas a respeito da técnica que eu uso para ilustrar, que é o acrílico sobre papel. Uma das perguntas que mais recebo é: quais os materiais que preciso para começar?

Eu uso tinta acrílica profissional, pois já atuo há anos na área. Gosto em especial da Maimeiri e da Liquitex. Porém, se você está começando, aí vão alguns materiais que eu indico para iniciar, pois o custo deles não é tão alto.

A tinta acrílica varia muito em função de marca e também da finalidade. Há tinta acrílica para parede, para artesanato, para hobby, para estudantes e profissionais. Geralmente encontramos na embalagem a finalidade, além da marca.

Quando você vê nomes que lembrem ‘simples’, hobby, student, etc, são tintas que tem materiais mais baratos em sua composição, portanto, custam menos. São ideiais para começar na profissão, pois não tem um custo tão alto e você não fica com medo de usar. De nada adianta investir em algo caro e ficar guardado. Eu mesma fico com pena de usar os materiais que paguei caro. Porém, às vezes acabam estragando com o tempo mesmo sem uso.

Depois de um tempo, sugiro que vá adquirindo tintas de mais qualidade (eu falo sobre isso no meu curso), pois há efeitos que são mais fáceis de realizar com tintas profissionais.

Enfim, para ajudar, fiz uma lista dos materiais que eu compraria se começasse hoje. Esses materiais tem um bom custo x benefício. Não são exatamente o que uso atualmente, mas o foco aqui é ter um kit básico para começar.

  • Papel – Eu uso sempre papel de gramatura 300g/m2 e compro o que tem melhor custo x benefício, pois o acrílico é uma técnica molhada e precisa de um papel encorpado (Veja o preço)

  • Pincéis – Uso os mais em conta, de vários tipos, pois como uso bastante, estragam rápido. Abaixo alguns que eu tenho ou compraria.
  1. Pincel sintético (Preço)

2. Pincel Liner para detalhes (Preço)

3. Pincel para espalhar a tinta e fazer fundos (Preço)

4. Pincel chato (Preço)

5. Pincel chato (Preço)

6. Conjunto de pincéis (Preço) – Boa quantidade de pincéis pelo preço que oferecem. Não os comprei nem usei ainda, mas estão na minha lista. 🙂

7. Pincéis de cerdas duras – uso bastante esses pincéis amarelinhos. Compro os mais baratinhos e são ótimos, porque em geral tem um custo bem baixo (Preço).

8. Compro eles em vários tamanhos (Preço)

  • Lápis de cor

Eu uso lápis de cor para acrescentar detalhes às minhas ilustrações. Aí a preferência é muito pessoal. Eu gosto muito do Caran d’Ache e do Prismacolor (americano), mas o custo aqui pode ser bem alto, infelizmente. Então, eu sugiro algum dos lápis abaixo, de marcas reconhecidamente boas. Vale lembrar que lápis de cor é algo bem pessoal. Eu, por exemplo, gosto de lápis aquareláveis e os mais macios.

Importante: o lápis de cor escolar tem bem menos pigmento na mina, então, investir num lápis de cor de qualidade pode evitar muita frustração. Eu gosto do Ecolápis, que tem um custo bom e é bem macio, mas não é aquarelável (veja o preço aqui & aqui para 50 cores).

Lembre-se: a qualidade de um lápis de cor reflete no seu preço. Quanto mais barato, menor a qualidade. Lápis de cor profissional tem um custo muito alto e pode chegar a milhares de reais. Mas é possível ter um bom resultado com lápis mais baratos.

Se eu fosse comprar um lápis aquarelável, de valor mais econômico, investiria nesses:

  1. Staedtler Designer Journey – não é um lápis profissional, mas tem boa qualidade por um custo baixo (veja o preço)

2. Faber Castell – o queridinho do Brasil, desde a nossa infância.

Esse é um aquarelável mais em conta, e focado, na minha opinião, para estudantes em geral (escolar), mas tem bom custo x benefício. Eu estou sugerindo esse, mas o próximo, apesar de mais caro, tem uma qualidade muito superior (Preço).

3. Faber Castell – Goldfaber – focado em artistas iniciantes, podem ser usados profissionalmente, na minha opinião (Preço).

A caixa com 24 cores custa bem mais, mas tem uma seleção maior de cores. Essa série tem de tudo para você usar durante muito tempo (Preço).

Para terminar, deixo aqui uma imagem de um lápis de cor considerado um dos melhores do mundo, o Caran d’Ache Museum Aquarelle. Tem um alto poder de pimentação e, quando aquarelados, as cores tem bastante intensidade. São lápis de custo muito alto, mas resolvi inserir aqui para que possamos comparar os preços e avaliar as opções existentes (clique na imagem para saber mais).

Como eu disse no início, há inúmeras opções de materiais artísticos, e estou sugerindo aqui algo que tem certa qualidade com preços mais baixos. Mas fique à vontade para escolher o que considerar melhor. Bom final de semana!

O desafio do tempo e o trabalho criativo

Uma das coisas que me surpreende é o quanto a gente consegue fazer quando estamos empenhados. Aqui no blog já falei algumas vezes sobre produtividade. Parece uma coisa que não tem nada a ver com ilustração, mas é algo que me interessa bastante. Acredito que tudo na vida precisa de equilíbrio e por isso que valorizo o tempo em que estou ilustrando. Quero também poder curtir minha família, os eventos, tempo com os amigos, viajar, descansar… e espero em breve poder novamente estar com os amigos!

Esse último mês fiz muitas ilustrações. Para um só livro, fiz 26, além ainda de trabalhar em outros projetos. Para alguns pode parecer pouco, mas quando você trabalha com técnicas tradicionais de pintura, leva um certo tempo para produzir uma ilustração. Nos Estados Unidos, por exemplo, há ilustradores que levam 6 meses para produzir essa mesma quantidade. Isso não quer dizer que todo trabalho que eu faço seja assim. Às vezes tenho bastante tempo para uma quantidade bem menor. Cada projeto é diferente.

Como todo mundo, às vezes a gente sabe que tem tempo e fica deixando para a última hora. Não é à toa que existem tantos livros ensinando a ‘vencer a procrastinação’. Rsrs…

Eu estou sempre tentando ser mais produtiva, e estudo bastante o que posso fazer para melhorar (às vezes até penso que ‘estudar’ também é um jeito de procrastinar). Uma coisa que eu gosto muito é de sempre fazer ‘um pouquinho a mais’. Acredito que devemos sempre nos desafiar. Com isso não estou falando de fazer algo muito grande. Costumo dizer a meus filhos: se você tem uma tarefa grande, não fique estressado. Divida em partes e faça cada dia um pouquinho. Se for um livro, um capítulo (ou até uma página) é melhor que nada. Se tem um grande trabalho de escola, que tal dividir em partes e destinar um trecho para cada dia? Deus fez o mundo em 6 dias. Ele não poderia ter feito tudo em um só? Poderia, mas eu acredito que Ele fez isso para nos ensinar a não ficarmos sobrecarregados.

Eu gosto de fazer um planejamento, divido em algumas partes e vou fazendo um pouco a cada dia. Funciona bem para mim. E foi assim que planejei o meu tempo, não deixando de fazer ainda as outras atividades que tinha todos os dias.

Para fazer uma ilustração, não basta só desenhar. É preciso ler o texto, entender se há algo que o autor quis dizer ou se fez referência a algum outro tema, pensar no que vai desenhar, esboçar, imaginar o que a criança vai interpretar… Depois de terminar o esboço (ou rafe), aí começa o trabalho da pintura, que é a parte mais divertida, na minha opinião. Se bem que às vezes eu gosto muito do desenho em preto e branco também. 😄 Mas o ato de deslizar o pincel sobre o papel traz uma satisfação muito grande para mim. Muitos ilustradores fazem tudo no computador, mas eu gosto de usar tinta e lápis de cor.

O trabalho do ilustrador parece fácil para quem está olhando de fora. Como brincam meus filhos: ‘você fica desenhandinho o dia todo’. Mas a verdade é que o nosso trabalho é um trabalho de criação. Ilustrar é um trabalho criativo, portanto o ilustrador é um ‘criador’ de algo. Você consegue imaginar que privilégio? Temos a tarefa de inventar alguma coisa que, até então, não existia. Através de papel, lápis, tintas (e também do computador), podemos dar vida a personagens que vão entreter, divertir, levar a questionamentos, encorajar, inspirar, despertar emoções e até mudar vidas. Uma responsabilidade e tanto. E que honra, não? A vida para mim é como um punhado de areia na minha mão. Os anos vão escorrendo e eu fico pensando que 24 horas no dia é pouco para tudo que desejo fazer. O tempo virou um recurso muito escasso.

Por isso a produtividade é algo que me fascina. Nós, trabalhadores criativos, somos aqueles que não se contentam em ficar na rotina, fazendo sempre a mesma coisa. Às vezes queremos mudar o mundo, às vezes deixar nossa marca ou um legado, às vezes só queremos produzir algo e ter a satisfação de saber que ‘foi feito por mim’. Por isso, embora o tempo às vezes seja escasso, ainda assim sabemos que o nosso trabalho vai impactar muitas pessoas. E isso não é maravilhoso? 🙂

Maneiras de rentabilizar minhas ilustrações

Ao ver uma ilustração, ou um livro, um produto… as pessoas nem sempre sabem o trabalho que tem por trás de cada ilustração. Para ser ilustrador, como já mencionei antes, não basta somente desenhar. Eu até já falei sobre isso num vídeo, que chamei de ‘Ilustrador Empreendedor’. Eu diria que o trabalho do ilustrador tem muitas facetas e, como geralmente trabalhamos por conta própria, podemos escolher o que desejamos fazer com nossa arte.

Trabalhando há mais de 15 anos como ilustradora, descobri algumas maneiras de rentabilizar a minha arte. Algumas tomam mais tempo, outras menos. Eu não consigo dar a mesma atenção a todas, vou dar 5 exemplos do que mais faço para rentabilizar minhas ilustrações:

  • Como ilustradora, o meu foco principal são os livros infantis. Embora receba pedidos de orçamentos para outros nichos, eu avalio sempre se devo aceitar, pois quando digo sim a algo, estou dizendo não a muitas outras coisas. Isso porque o nosso tempo é limitado, e caso eu aceite algo só pela renda, posso ter que recusar algo muito mais interessante uma semana depois, e às vezes até por um valor melhor.

Além de receber pelas ilustrações, você também pode vender seus exemplares. Hoje em dia, há vários marketplaces onde você coloca seu livro à venda e paga uma comissão quando são vendidos. Eu confesso que não tenho feito isso, por absoluta falta de tempo. Mas colegas de profissão o fazem e tem sido uma fonte de renda alternativa para eles.

  • Workshops – frequentemente sou convidada para workshops, tanto em eventos quanto em escolas. Alguns são gratuitos e outros a pagamento. Quando a instituição que me contata não pode arcar com o custo de meu workshop , eu costumo combinar que comprem livros para a biblioteca. Como eu sempre recebo livros cortesia da editora, não é raro ter alguns em estoque. Além disso, a escola é beneficiada com livros novos.

Com a pandemia, isso diminuiu bastante, mas ainda assim recebi pedidos. Alguns queriam que eu fizesse gratuitamente. O problema disso  é que acabo ocupando o meu tempo e deixando de ilustrar, que é o meu ganha-pão. Mas mesmo assim, fiz dois workshops online há algumas semanas nesse esquema de comprarem meus livros, o que fizeram com muita alegria, pois é uma maneira de aumentarem o acervo literário e fazer com que os alunos tenham acesso à história e às ilustrações, enriquecendo a própria cultura deles.

Há pessoa que acreditam que o ilustrador já tem satisfação pelo seu trabalho – de fato, é verdade! Sou muito feliz e agradecida pela minha profissão – e que deveria fazer não só os workshops, mas também as próprias ilustrações de graça.

Infelizmente, não existe ainda ninguém que aceite ‘satisfação’ como pagamento. As empresas de energia elétrica, água e internet só recebem em reais, e nós, ilustradores, também precisamos deles para pagar nossas contas. Ninguém vai à padaria, pede pães e paga com elogios.

Outro fato que devo ressaltar é que não chegamos à profissão de ilustrador sem esforço. Foram anos de estudo (eu, por exemplo, fiz  4 anos de graduação na Accademia di Belle Arti di Venezia),  cursos de aperfeiçoamento em ilustração (Itália), curso de escrita criativa para textos curtos (Suécia), além de muito estudo por mim mesma, sempre me atualizando.

  • Ilustrações para produtos – tanto produzidos  por você como por terceiros: eu vendo canecas, camisetas, quebra cabeças, etc…  e já estou pensando em criar jogo da memória, caderninhos…

Aprendi não só a fazer o livro de cabo a rabo, mas também fui me desenvolvendo na área de produtos. Nem tudo posso fazer sozinha, mas busquei parceiros que me auxiliam nas partes que não tenho tempo, os recursos necessários ou até mesmo o conhecimento para fazer. Terceirizar algumas áreas lhe dá condições de priorizar o que você faz de melhor.

  • Licenciamento de suas ilustrações, como ensino no Curso “Ilu$tre – Como vender suas ilustrações na internet”.
  • Uma outra coisa que faço de vez em quando são ilustrações personalizadas para aniversários e time lapses para serem apresentados durante a festa. Essa semana recebi um orçamento para fazer um personagem personalizado, mas como estou com outros projetos, não pude aceitar.

Além desses, sempre aparece alguma outra coisa. No momento, estou com alguns projetos de livros, mas gostaria de poder trabalhar mais com produtos, pois é um prazer grande ver alguém com algum objeto com uma ilustração sua.  

É uma grande satisfação receber royalties referentes a ilustrações que produzi e licenciei há anos. Às vezes os valores são altos, às vezes nem tanto, mas aí é que entra aquela ‘satisfação’ que mencionei acima: além dos royalties, a satisfação em saber que alguém em outro país escolheu a sua ilustração no meio de milhões de outras, e que pagou por isso. Isso sim que é satisfação, pois mostra que o que você cria tem valor. J

Não faça o seu trabalho gratuitamente, pois nem sempre as pessoas valorizam.

Para finalizar: se não custa nada, não vale nada. Pense nisso. Um ótimo final de semana!

SUA ILUSTRAÇÃO PUBLICADA?

…….

Muita gente me escreve falando que quer ser ilustrador. São pessoas que às vezes já desenham, mas que sentem que ainda falta alguma coisa ainda em seu trabalho. Muitos até me escrevem: eu desenho todo dia, eu faço postagens, eu faço reels… o que mais preciso fazer?

Há vários passos que levam você ao seu objetivo. O primeiro deles, é claro, é ter interesse em desenho e ilustração. Além disso, é importante dominar outras habilidades relativas à área de ilustração infantil que, de fato, nem todos conhecem. Mas não é só isso e, vou te dizer a verdade, todo ilustrador tem um percurso diferente. De fato, em toda profissão acontece isso.

Porém, há algo que posso afirmar com certeza:

SUCESSO é o que acontece quando o PREPARO encontra a OPORTUNIDADE.

Ou seja:

SUCESSO = PREPARO + OPORTUNIDADE

Eu recebo inúmeras mensagens de aspirantes a ilustrador e ilustradores iniciantes, com as seguintes perguntas:

– Eu gosto de desenhar, como posso me tornar ilustrador?

– Como faço para começar?

– Fui convidado ou convidada para ilustrar uma história, mas como não conheço o processo, por isso acabei não fazendo, ou não pegando o trabalho.

Olha só essa última frase: “Fui convidado para ilustrar mas, como não conhecia o processo, acabei não fazendo”.

Eu recebo muuuuuitas mensagens como essa: eu não sei como começar, não sei como fazer, não sei se preciso de contrato, não sei nada… e por isso… perdi a oportunidade.

Oportunidades não acontecem o tempo todo. E, por isso, é preciso estar preparado.

Eu também fui iniciante um dia, e empatizo com essas pessoas que me escrevem. Eu fico super feliz em saber que tive impacto positivo na vida de alguém, por isso, criei um Manual do Ilustrador gratuito, criei vídeos, criei aulas… enfim, sempre tentando ajudar a quem me procura.

Vindo de uma família sem tantas oportunidades e condições, eu valorizo MUITO quem corre atrás dos seus sonhos, quem investe em si mesmo, quem não desiste nem fica parado aguardando a sorte acontecer em sua vida. Desde cedo aprendi que é bom sempre estar preparado para as oportunidades, e nunca parei de me aperfeiçoar. A gente nunca sabe o que mais pode mudar nesse mundo em que a inovação não para de acontecer. Aquela história de ser ‘descoberto’ não existe. Temos que correr atrás de nossos objetivos intencionalmente.

Desde que comecei a minha carreira de ilustradora, recebo pedidos para ensinar a ilustrar. Mas foi só mesmo em 2016 que comecei a considerar essa possibilidade, pois uma plataforma americana me contatou para produzir um curso para eles. Na verdade, eles continuam me pedindo.

Aí eu pensei: com tanta gente aqui querendo ser ilustrador, por que eu não faço para as pessoas do meu país? Por que não ampliar essa possibilidade para as pessoas que me escrevem?

Mas foi só no ano passado, depois que uma pessoa começou a me escrever insistentemente, que comecei a produzir o meu curso online. Eu senti como se aquilo fosse um propósito. Comecei pensando numa só pessoa, mas, de fato, foi algo muito bom ver que havia muito mais gente querendo aprender comigo.

O curso começou e eu fiquei feliz com os comentários super positivos que comecei a receber. Porém, como professora, eu queria poder ajudar ainda mais a meus alunos. E pensei: Como motivar ainda mais quem está aprendendo? Qual é o sonho de todo ilustrador iniciante?

Sendo professora formada (além de Belas Artes, eu também fiz o magistério), sei bem que, para o aprendizado acontecer, temos que ter um motivo para a ação. Ou seja, motivação.

E a maior motivação para o ilustrador iniciante, a meu ver, é ter sua ilustração publicada.

E foi aí que criei uma oportunidade para quem deseja iniciar sua carreira de ilustração. Falei com meus alunos e muitos não poderiam, pelos mais diversos motivos. Mas para as que aceitaram, fiz uma aula ao vivo falando do processo, do que teriam que fazer, das datas, das condições e dos custos. Foi um projeto maravilhoso. Nosso livro já está disponível na Amazon e o livro impresso ficou pronto antes de ontem! E muitas já me escreveram que desejam repetir a experiência!

E foi aí que pensei: quero ajudar todo o ilustrador iniciante a ter sua primeira ilustração publicada.

Há inúmeras vantagens em passar por essa vivência.

Além de ajudar a aprender mais sobre ilustração infantil, composição, técnicas, narrativa, melhores materiais, enquadramento… quero oferecer, a quem desejar, a oportunidade de ver uma ilustração sua publicada num livro. E pode ser num eBook, como também num livro impresso. O(A) aluno(a) pode escolher aquilo que for mais conveniente para ele(a).

Eu ainda me lembro da primeira vez que vi uma ilustração minha publicada. Foi algo muito sonhado e esperado. Ainda hoje fico muito feliz em ver livros publicados com minhas ilustrações, mas o primeiro, de fato, a gente nunca esquece.

O fato de ter aquela ilustração não representou somente a realização de um sonho. Aquela ilustração publicada abriu muitas portas para mim. Fica comigo que vou te contar:

Não sei se você sabe, mas há muitas associações e coletivos de escritores e ilustradores de literatura infantil. Só que, pra você ser aceito como membro, o pré-requisito é ter uma ilustração publicada num livro.

Uma vez que você tenha publicado uma ilustração em livro, isso pode ser o seu passaporte de entrada para uma dessas associações. E você deve saber também que, para ser bem sucedido, tem que se cercar de pessoas que tenham interesses em comum. Pessoas que trabalham em áreas que são relacionadas ao que você faz.

Quando entrei para a associação de escritores e ilustradores de livros infantis, acabei conhecendo profissionais da área, até mesmo vencedores do prêmio Jabuti, o prêmio mais importante para literatura infantil no Brasil.

Fui convidada para ilustrar livros em parcerias, para participar de concursos, fui indicada para editoras, conheci editores pessoalmente e muitos outros profissionais da área. Posso dizer que essa primeira ilustração foi o pontapé inicial. Na verdade, foi a bola de neve, pequenina, que começou a crescer, crescer e que foi só ampliando a minha rede, bem como o meu aprendizado e experiência, o que possibilitou que eu conseguisse chegar onde estou. Eu recebo inúmeros pedidos de orçamento, mas hoje posso dizer que até escolho o que desejo ilustrar, graças aos conhecimentos que fui adquirindo.

Mas não só isso, o fato de você colocar no seu portfólio que você tem uma ilustração publicada mostra aos seus clientes que você já atuou profissionalmente. Isso é muito relevante: quando um cliente vê que você já tem algo publicado, isso mostra não só o seu profissionalismo, mas também dá mais segurança a ele de que você já sabe como é processo, que conhece a área, os jargões, cumpre datas e vai entregar a ilustração no formato que ele pediu. E isso é algo que faz muita diferença num profissional de nossa área.

Nem todos conhecem o processo de publicação de um livro. Somente os que passaram por essa experiência é que sabem de verdade. A teoria é interessante, mas nada como passar pela experiência, errar e acertar, passar pelos perrengues. É como digirir: só na teoria, você não pode dizer que é um motorista. A verdade é que, só depois de ter guiado um carro é que você pode, de fato, dizer que sabe dirigir. E é o mesmo com um processo de publicação: você até pode dizer que é um ilustrador de livros infantis, mas se não tiver publicado pelo menos uma ilustração, muita gente vai considerar que você não é ainda um profissional da área…

E mais: sua ilustração num livro, seja eBook ou impresso, pode chegar a milhares de pessoas, sendo vitrine de seu trabalho. Já imaginou quantas pessoas vão ver o seu trabalho no livro?

Além disso, não há nada como ver seu nome estampado numa publicação, seja na capa, seja no interior do livro, acompanhando o seu trabalho. Você já parou pra pensar que, daqui a muitos anos, alguém vai folhear esse livro e admirar seu trabalho? E que você também poderá olhar essa primeira ilustração e pensar: esse foi o primeiro degrau da escada rumo a onde estou hoje?

Toda jornada começa com o primeiro passo: e uma ilustração publicada pode ser esse seu primeiro passo em direção não só à maior visibilidade, mas também a novos clientes.

Alguns de meus livros foram resultado de alguém que folheou livros anteriores que eu tinha feito. E isso pode acontecer com você também.

E a admiração de amigos e familiares? A oportunidade de presentear alguém com uma publicação onde você tem uma ilustração? Já imaginou?

Mas há mais benefícios ainda: ter uma ilustração publicada não só muda a forma como os outros vêem você, muda também o seu mindset. Você fica mais confiante e também percebe que, com o conhecimento que adquiriu, pode aceitar novos trabalhos e novos desafios.

Ao dizer que você trabalha com ilustração, uma das primeiras perguntas é: o que você já ilustrou? Eu conheço algum trabalho seu? Ao ter uma ilustração publicada, a credibilidade é praticamente instantânea.

Isso acontece muito. Sempre que digo que sou ilustradora, me perguntam quais trabalhos já fiz. Ao mostrar que você tem um livro publicado, você vai notar como o respeito a admiração aumentam nas pessoas com quem você fala.

Contra fatos não há argumentos: ninguém pode contestar o que está impresso numa página.

Já imaginou a sua ilustração, num livro, disponível na maior empresa de comércio de livros do mundo? Sua ilustração num livro que estará disponível não só no Brasil, mas nos EUA, Espanha, Itália, França, Escandinávia, Inglaterra, Japão e até Índia, sem falar em outros países?

Na semana que vem vou abrir as inscrições para meu curso em 3 modalidades, ou também podemos chamar, 3 pacotes:

  1. Pacote Era Uma Vez – Curso online de ilustração infantil (sem vivência nem publicação)
  2. Pacote Felizes Para Sempre – Curso + Vivência + Publicação em eBook
  3. Pacote Fada Madrinha – Curso + Vivência + Publicação em eBook, livro impresso + 1 apreciação da sua ilustração*

Eu vou explicar melhor sobre os pacotes na próxima postagem.

*Essa apreciação se trata de uma opinião ou uma análise minha da ilustração que será publicada, que farei por escrito via email. O pacote Fada Madrinha contempla 1 (uma) análise/apreciação da ilustração que será publicada no livro e, de preferência, em andamento.

Eu gostaria muito de poder olhar todas, mas infelizmente meu tempo está muito escasso.

E embora eu goste de receber as ilustrações dos alunos, responderei apenas para quem for do pacote Fada Madrinha. Apreciar, analisar a composição, os personagens, cenários, etc… numa ilustração leva tempo, e como estou com vários projetos de ilustração para os próximos meses, optei por limitar o tempo para essa análise. Por isso, desde já peço desculpas a quem me enviar e eu não responder, mas a cada dia recebo mais e mais mensagens. Assim, para quem desejar ter um feedback a respeito da ilustração que fará para o livro, no pacote Fada Madrinha, eu ofereço a prioridade em ter sua ilustração comentada. Agradeço a todos pela compreensão! :-*

AS 3 COISAS QUE DEVEMOS FAZER NA VIDA

Eu não sei se você chegou a ler minhas postagens anteriores, mas alguns de meus alunos (nesse caso, somente alunas aceitaram o desafio) e eu estávamos produzindo um livro de receitas, onde cada uma delas ilustrou sua receita favorita, ou alguma receita de família, ou até com o objetivo de homenagear alguém.

O meu objetivo com essa produção foi proporcionar uma vivência da profissão do ilustrador de livros infantis.

Muita gente acha que, para ser ilustrador, basta saber desenhar ou ter talento. Mas eu diria que saber desenhar é apenas o primeiro passo para ter uma carreira de ilustrador bem sucedida.

É necessário entender todo o processo, saber cumprir prazos, ter uma rotina de trabalho, atender às exigências e expectativas do cliente, conhecer detalhes do processo de produção do livro… enfim, há muita coisa envolvida nessa maravilhosa profissão do ilustrador infantil. Além de atender a esse objetivo, a vivência também proporcionou a realização de um sonho: publicar uma ilustração!

Dizem que na vida temos que fazer 3 coisas: plantar uma árvore, ter um filho e publicar um livro. Essa frase é atribuída ao poeta cubano José Martí.

Mas o que será que ele quis dizer com isso?

Quanto à plantar uma árvore, refere-se ao fato de preservar não somente a natureza, mas também o alimento, para sustento da raça humana. Muito do que consumimos hoje foi plantado no passado. E assim como hoje nos beneficiamos de algo que alguém fez pensando em nós, devemos pensar no futuro do próximo também.

Ter um filho representa não somente a sua herança viva, mas também o seu legado familiar, transmissão dos seus valores, culturas, memórias, sua história, bem como perpetuar seu nome.

Publicar um livro é uma forma de deixar sua marca no mundo, inserir nele suas ideias e ideais, seu legado pessoal, herança intelectual, essência, desejos, sonhos e valores. É uma forma de marcar a nossa jornada na história da humanidade.

Já imaginou que, daqui a 50 ou 100 anos, talvez mais, alguém vai saber de sua existência porque viu seu nome no livro? Não é assim até hoje? Muito, muito mesmo, do que sabemos da humanidade, sabemos através de um livro, que pode perpetuar o seu nome. 🙂

E foi isso que eu quis proporcionar a essas alunas: publicar uma ilustração de sua própria autoria, representando um pouco de sua essência, usando como base uma receita de família, na qual puderam inserir um pouco de si mesmas.

Além disso, poderão compartilhar e transmitir esse legado a familiares e amigos, presenteando-os com o livro impresso.

Enfim, posso dizer que, para mim, foi uma experiência muito enriquecedora. Gerenciar um projeto como esse, com tantas pessoas envolvidas, não é algo que costumo fazer, mas sinto-me realizada e estou muito feliz em ter ajudado a realizar esse sonho.

O livro está na gráfica no momento e em breve todas as participantes receberão seus exemplares impressos. Mas se você estiver curioso para ver como ficou, o ebook já está disponível na Amazon.

A ideia inicial era disponibilizar gratuitamente. No entando, a plataforma tem regras a respeito e não foi possível. Por isso, optamos por vender pelo preço mínimo – R$ 3,99, para alcançar mais pessoas, e doar todo o lucro (100%) para a instituição ABC Vida, que atende a comunidades carentes.

Para adquirir seu exemplar, e colaborar com a instituição, clique no livro.

Por último, obrigada por me acompanhar nas mensagens, postagens e mídias sociais!

Bom final de semana! :-*

E-book das alunas publicado!

Essa semana publicamos o e-book com as ilustrações e com as receitas das alunas do curso Ateliê Ilustre.


Prestigie o trabalho delas adquirindo o livro por apenas R$ 3,99. Nossa intenção era disponibilizar o livro gratuito, mas não foi possível, devido às regras da plataforma Amazon.


Porém, conversando com as participantes, decidimos doar todo o lucro à ABC Vida, em Curitiba, instituição que atende a comunidades carentes, com cestas básicas e assistência médica gratuita.


Clique no livro para adquirir e ajudar essa instituição.

Você quer ter sua ilustração publicada?

No ano passado, depois que me pediram bastante, comecei a oferecer um curso online de ilustração infantil. O Curso Online de Ilustração Infantil Ateliê Ilustre.

Com o objetivo de motivar e aplicar os conhecimentos do curso, ofereci aos meus alunos a possibilidade de fazermos um livro ilustrado em conjunto. Algumas alunas – somente as meninas, dessa vez – aceitaram o desafio e, juntas, fizemos um livro ilustrado com receitas.

Mas por que receitas?

Para fazer um livro, são necessárias várias pessoas. Um dos componentes fundamentais do livro é o texto. Sim, há vários livros ilustrados sem texto, mas na maioria das vezes o livro infantil tem texto.

Para que todas pudessem ilustrar algo que fosse significativo para elas, propus que cada uma escolhesse uma receita que fosse de família ou que gostasse, e me enviasse para que pudéssemos começar o processo. Exatamente como acontece numa situação real: o autor envia o texto para o editor – nesse caso, eu – e a partir daí o livro vai sendo definido: número de páginas, ilustradores, tamanho do livro, orçamentos, revisão, diagramação… etc.

Outro fator que nos motivou a escolher a receitas foi para não nos preocuparmos com direitos autorais, pois assim cada ilustradora teria os direitos sobre as suas. As receitas também permitem um imaginário ilustrativo muito rico e variado.

Durante esse tempo, as alunas puderam aplicar o que aprenderam no curso – e buscaram rever o que tinham aprendido, uma vez que tinham onde aplicar. Tornou-se algo muito mais interessante e até divertido.

Além dos conhecimentos do curso, desenvolveram suas habilidades e aprenderam aspectos técnicos da produção do livro que não teriam imaginado se não tivessem vivido essa experiência ou, por que não, essa vivência.

Agora que estamos finalizando, estou feliz em ter podido oferecer essa oportunidade. E você vai poder apreciar o trabalho das meninas daqui a alguns dias, pois estará disponível na plataforma da Amazon como e-book. Como é um projeto do curso, não terá custo.

Também fizemos livros impressos, e cada aluna receberá uma quantidade conforme pedidos individuais. Esses poderão ser comercializados pelas ilustradores ou doados como presente para familiares e amigos.

Daqui a alguns dias vou abrir as inscrições para o curso, agora em duas modalidades: somente o curso (como era antes) e também para a vivência da profissão, onde o aluno irá trabalhar com datas de entrega, planejamento do trabalho, tipo de arquivo, resolução, processo gráfico, etc.

O objetivo é proporcionar um ambiente simulado de um processo de ilustração profissional onde, se o aluno tiver alguma dificuldade, possa sanar suas dúvidas, aprender a evitar ou resolver antes que inicie um trabalho profissional. Ou seja, para que nada de errado ocorra quando ele for contratado por aquela editora com a qual tanto sonha trabalhar. 🙂

Eu posso dizer que sou muito abençoada por ter alunas tão queridas como as que tenho agora. A vivência que fiz com minhas atuais alunas foi um processo muito desafiador, mas foi tão interessante e gratificante, que decidi oferecer novamente aos novos alunos. S2

Se você tem interesse em participar, fique atento(a), porque vou abrir as inscrições em breve. A produção de um livro leva tempo e, portanto, quem começar agora terá uma ilustração publicada em novembro desse ano. Até posso abrir as inscrições para o curso novamente esse ano, mas quem se inscrever depois, só terá sua ilustração publicada no ano que vem (se eu continuar oferecendo a vivência).

Veja o que os alunos estão dizendo:

A produção do livro infantil ilustrado

Produzir um livro infantil – de cabo a rabo – é um processo cheio de detalhes. Muitas vezes não nos damos conta da quantidade de trabalho que isso exige.

Para começar, muitas são as horas que o autor emprega para escrever o seu texto, refinar a escrita, observar ortografia, gramática, sintaxe, etc, até que tenha a possibilidade de enviar seu livro para uma editora. Atualmente, é possível também fazer uma auto-publicação, tanto digital como livro físico.

A auto-publicação, ou publicação autoral, aumentou muito na última década. Autores que enviavam originais para editoras e estavam cansados de aguardar por uma resposta, encontraram a solução para seu problema com a publicação autoral. Por isso, quando o ilustrador sabe como executar todo o processo de publicação de um livro, as suas possibilidades de trabalho aumentam.

Porém, produzir o livro físico é um processo longo, às vezes um pouco demorado, e que requer alguns conhecimentos técnicos. Há editoras que planejam livros meses – e até anos – antes do lançamento – e tem uma grande equipe. Porém, quando um ilustrador conhece todo o processo, pode diminuir em muito esse tempo.

O trabalho de um livro começa com o texto. Quando um escritor ou uma editora envia o texto para o ilustrador, esse texto já passou por critérios e definições: o texto tem apelo comercial, se encaixa em alguma área de interesse, qual será o tamanho do livro e o número de páginas? Além disso, são levados em consideração vários aspectos, como faixa etária, posicionamento de mercado e, é claro, custo.

O ilustrador, quando recebe o texto, passa a preparar as imagens que compõem a narrativa visual da história. Ilustrações também contam histórias, e a composição, os personagens, o cenário, entre outros aspectos, podem vir a narrar essa história sob vários pontos de vista, que podem complementar, enfatizar e até divergir do texto. Por isso, não basta somente saber desenhar. É importante saber ‘ilustrar’, isto é, narrar a história de modo visual. Você já parou para pensar que, às vezes, a ilustração conta mais que o texto?

Por que isso?

Porque muitas crianças “leem” o livro somente através das imagens. Se um adulto lê para uma criança, ela ouve e acompanha a história através das imagens. Se ninguém lê para ela, e ela ainda não for alfabetizada, ela vai compor a sua própria história a partir das imagens. Não é fantástico o trabalho do ilustrador infantil? 🙂

Porém, se o ilustrador desenha mas não ‘narra visualmente’, como a criança poderá entender o que se passa?

Enquanto faz o trabalho de ilustração, o profissional passa por várias etapas, das quais já falei aqui no blog. Depois que o ilustrador termina as ilustrações, parece que já foi feito quase tudo. Mas na verdade, ainda há muito trabalho, e não estou falando nem da parte comercial, somente da parte técnica.

Após as ilustrações terem sido feitas, se forem com técnicas tradicionais como lápis de cor, aquarela ou acrílica, por exemplo, aí começa o trabalho de ajustes de imagens, que requer bastante tempo e dedicação. O também texto passa por revisão várias vezes, é diagramado de forma que imagem e texto trabalhem em harmonia, há escolha de cores, fontes, layout, posicionamento, etc…

Muitas pessoas ficam surpresas com o trabalho que dá produzir um livro. Entretanto, esse trabalho é muito recompensador. Você já parou pra pensar que o livro infantil é um dos primeiros contatos da criança com o mundo da arte, da ilustração, da literatura?

Por isso, acredito que cada dia mais devemos valorizar o trabalho não só do ilustrador e do escritor, mas também de quem faz o livro acontecer, ou seja, toda a equipe que trabalha por trás dessa produção tão magnífica que é o livro infantil ilustrado.

Bom fim de semana!