É PRECISO TER GRADUAÇÃO PARA SER ILUSTRADOR?

Sempre recebo mensagens com perguntas sobre o que é preciso para ser ilustrador. Algumas perguntas que me fazem também são:

Preciso de graduação para ser ilustrador?

Que curso posso fazer para ser ilustrador?

Antes de entrar nessa pergunta, queria ressaltar algumas características que considero importantes para poder responder a isso.

Em primeiro lugar, acredito que para ser ilustrador você precisa ter algumas características:

1. Ser apaixonado por ilustração

2. Ser persistente

3. Ser ousado

4. Ter habilidades artísticas

5. Ter conhecimentos específicos da área

SER APAIXONADO POR ILUSTRAÇÃO

Como em toda área artística, ou você é fascinado e apaixonado pelo que faz, ou você não vai continuar trabalhando com isso. O começo é mais difícil, e é preciso ter paciência para ver os resultados. Porém, depois que você conhece mais como funciona, desenvolve o seu estilo, sabe onde e como encontrar trabalho, aí vai ficando mais fácil. Porém, só quando você curte muito o que faz, acredita no seu valor, é que você vai se valorizar e poder viver de ilustração. Caso contrário, se considerar que é um hobby, ou que desenhar já é tão legal que não posso cobrar muito por isso, poderá desvalorizar o que faz e cair na armadilha de cobrar pouco pelo que faz.

É claro que existem imagens gratuitas e até de preço muito baixo na internet, mas quando alguém precisa de algo específico, essa pessoa tem um problema. E é você, ilustrador(a), que vai apresentar a solução ‘visual’ para ele. Portanto, ele não estará lhe pagando somente um desenho ou uma ilustração, mas uma solução personalizada. Por trás dessa imagem, você tem uma bagagem que tem valor. E é por isso que tem que gostar muito do que faz e valorizar a sua profissão.

Tem gente que acha que, só porque somos felizes em nossas profissões, já temos a nossa ‘recompensa’. Ouvi que 75% dos americanos odeiam o seu trabalho. É provável que aqui no Brasil também seja assim. Porém, se alguém escolheu mal, não é sua culpa de ter um trabalho que você gosta. Não é por isso que você tem que ser mal remunerado.

SER PERSISTENTE

Muitas vezes começamos nossa carreira aos ‘trancos e barrancos’. Um trabalho aqui, outro lá… e as contas chegando… a preocupação também… Enfim, todo profissional liberal começa com poucos clientes. Um médico, dentista, músico, arquiteto… A maioria se forma e tem que correr atrás de clientes. Enfim, é necessário persistir e buscar oportunidades.

Mesmo que você tenha que começar com um trabalho diferente – eu estudei administração e trabalhei por 6 anos nessa área antes de me tornar ilustradora – não desista e trabalhe nas horas vagas com ilustração. Faça cursos, desenhe, conheça mais sobre o mercado. Quem acredita, sempre alcança. Sou prova disso. Não tenho nada de especial. Nasci numa família simples, com bem poucos recursos. Se eu consegui, você também vai conseguir.

SER OUSADO

Posso dizer que já nasci querendo trabalhar com arte. Nem sempre fui compreendida. Quem trabalha nessa área, é visto como excêntrico. É quase uma ousadia você querer trabalhar com algo tão diferente do normal. Então, vamos correr atrás do nosso sonho e que sejamos ousados! Ouse viver uma vida com propósito.

TER HABILIDADES ARTÍSTICAS

É um fato que para trabalhar com ilustração uma pessoa precisa ter certas habilidades artísticas. Existe a ideia de que para desenhar é preciso ter talento. Eu concordo que algumas pessoas já nascem com uma aptidão para o desenho, isso é fato. Mas também acho que é possível desenvolver essa habilidade. Na verdade, eu acho que a prática e o estudo que levam ao desenvolvimento. Há um ditado em inglês que diz (e eu sempre repito aqui):

Hard work beats talent when talent does not work hard.

(O trabalho duro supera o talento quando o talento não trabalha duro).

Então, eu acho que muitas pessoas até tem aptidão, mas não buscam melhoria, o que faz com que outros, que nem teriam tanto ‘talento’, passarem a desenhar melhor que eles.

É aqui que eu começo a responder à pergunta do início:

PRECISO TER GRADUAÇÃO PARA SER ILUSTRADOR?

Na verdade, não é preciso uma graduação para atuar na área. Porém…… são necessárias certas habilidades. E muitas delas podem ser obtidas fazendo uma graduação.

Para ser ilustrador, é preciso ter habilidades de desenho e não, não precisa ser hiper-realista nem mesmo realista. Mas uma certa habilidade em transformar texto em imagem é necessária.

A graduação em artes, por exemplo, pode lhe ajudar a se aperfeiçoar em desenho, perspectiva, teoria das cores, anatomia, luz e sombra, história da arte, técnicas variadas, quais materiais usar, como armazenar, quais os mais adequados, como representar as imagens numa ilustração, quais as estratégias de composição… sem falar que em 4 anos você vai desenhar muito. Ou seja, serão muitas horas dedicadas à prática da profissão.

Repetindo a pergunta: é necessário graduação para atuar na área? Não, porém é importante procurar conhecimento sobre os temas que mencionei acima. A grande vantagem da graduação é que alguém já elaborou um curriculum e providenciou os professores para lhe ensinar o que precisa. E é por isso que acaba sendo conveniente, pois você paga uma mensalidade e a instituição se preocupa em lhe ensinar o que é necessário. É um modelo de ensino usado há muito tempo, e funcionava bem até começar a pandemia.

Desconheço uma graduação em ilustração no Brasil, mas a graduação em artes pode ajudar em partes. E, além de tudo isso, ainda recebemos um diploma ou certificado ao concluirmos, o que demonstra que obtivemos os conhecimentos necessários para atuar em determinada área, e que garante à sociedade que fomos testados e aprovados, reconhecidos como indivíduos que tem habilidades na área.

Mas… e se fazer uma graduação não for possível?

Além disso, a graduação em artes é genérica, e ensina mais a parte artística da área de ilustração. E quanto aos outros conhecimentos necessários?

É aí que entro no quinto ponto das características que considero essenciais:

TER CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS DA ÁREA

Como criar personagens, elaborar narrativas visuais, enquadramentos, pontos de vista, ambientação da história, etc?

Eu trabalho com técnicas tradicionais, mas se o objetivo for trabalhar com ilustração digital, há ainda a necessidade aprender a utilizar softwares específicos.

Quando eu comecei a trabalhar na área, eu tinha a graduação em Pintura pela Accademia di Belle Arti di Venezia. Como meu objetivo era trabalhar com ilustração infantil, fiz cursos de aperfeiçoamento na área. Aprendi muito com eles, com a prática e pesquisando sobre todos os aspectos necessários para ilustrar para crianças. São muitos anos na área.

Como hoje vivemos num mundo muito diferente, onde tudo está na ‘ponta dos dedos’, cursos online também podem ser muito úteis para o desenvolvimento do artista/ilustrador.

O ensino a distância veio para ajudar quem não tem condições de fazer um curso presencial. Seja por motivos financeiros, ou porque mora em algum lugar muito remoto, ou porque trabalha o dia todo e não tem tempo, enfim, nunca antes houve tanto acesso à informação e tantas oportunidades. Basta se planejar. Atualmente, então, com a pandemia, o curso online se tornou quase a única opção.

Eu mencionei aqui há algum tempo que estava produzindo um curso sobre ilustração infantil. Estou finalizando e, no início de novembro vou abrir as inscrições. Quem tiver baixado o meu livro sobre a carreira do ilustrador receberá um email avisando. Esse curso foi muito pedido pelas pessoas que me seguem aqui no blog e nas redes sociais. Serão mais de 80 aulas ensinando a ilustrar, em técnicas tradicionais, como lápis de cor, aquarela e acrílico – que é a técnica que mais uso – com aulas sobre tudo que acho importante quando criamos uma ilustração infantil. Ilustração infantil é muito mais do que fazer um desenho colorido. O objetivo maior desse curso é ajudar o aluno a construir um portfólio, pois é isso que faz com que você possa ingressar no mercado de trabalho como ilustrador. Será um curso destinado a iniciantes, mas quem já desenha e deseja aprender mais sobre ilustração infantil, poderá se beneficiar também.

Porém, independentemente se você vai fazer uma graduação na área de artes, se vai fazer um curso de aperfeiçoamento, um curso online, ou estudar e praticar sozinho, um conselho importante que me atrevo a dar é: quanto antes você começar, antes desfrutará dos resultados. Nada pior do que chegar a uma certa altura na vida e pensar: por que não comecei antes? Por que não realizei meu sonho?

Concluindo, embora não seja essencial, um diploma ou certificado na área tem muito valor. Entretanto, você pode ter disciplina e estudar sem a necessidade de uma graduação. O que o cliente vai querer ver é o seu portfólio. Então, produza. E produza muito! Para o cliente, seu diploma não quer dizer nada. Ele não vai pedir pra ver o seu diploma. Ele quer ilustrações. Se o seu portfólio for bom, é isso que importa.

Para ser ilustrador é necessário talento?

Ilustração para livro infantil – Ingrid Osternack

Antes de começar a falar sobre o que eu penso a respeito, vamos ver o que o dicionário fala sobre talento.

Do latim talentum, a noção de talento está relacionado com a aptidão ou a inteligência. Trata-se da capacidade para exercer uma certa ocupação ou para desempenhar uma atividade. O talento tende a estar associado à habilidade inata e à criação, embora também se possa desenvolver com a prática e treino.

Talento é o que dizemos que uma pessoa tem quando faz muito bem uma coisa. Acredita-se que uma pessoa nasça com talento. E, em nosso caso, seria o talento para desenhar.

De fato, existem pessoas que tem uma aptidão maior para fazer as coisas. É inegável que tem gente que tem uma voz mais bonita que outras pessoas. Porém, mesmo assim é preciso técnica para que possa desenvolver o seu “talento”.

Mas o que podemos dizer quando se fala em desenho? As pessoas nascem – ou não – sabendo desenhar?

Eu acredito que, se uma pessoa nascesse com talento para desenhar, as crianças na pré-escola já demonstrariam diferença em seus desenhos. Porém, fui professora de educação infantil e posso afirmar que não é assim. As crianças desenham mais ou menos das mesmas maneiras, e seguindo fases que são analisadas pela psicologia. A maioria segue o percurso normalmente. É só depois de certa idade que notamos que tem crianças que desenham melhor que outras. E, na maioria das vezes, o que noto não é um talento inato, mas que foi se desenvolvendo porque aquela criança se interessou mais do que as outras e acabou praticando mais.

Eu mesma não desenhava bem quando comecei a escola. Embora sempre gostasse de rabiscar, até nas paredes, os meus desenhos de antigamente me fariam morrer de vergonha se os mostrasse agora. Mas quando entrei para a pré-escola, havia uma menina que fazia uma bonequinha e todos pediam desenhos para ela. Ao invés de pedir um desenho pra mim, lembro que pedi para que ela me ensinasse a fazer. E ela ensinou. Depois desse dia, ela parou de desenhar e eu continuei. A partir daquele momento – embora eu tivesse 6 anos, me lembro bem, pois foi marcante – comecei a minha jornada rumo ao sonho de trabalhar com desenho e ilustração.

Desde então, meus cadernos eram sempre cheios de desenhos e eu que fazia para as outras crianças.

Porém, eu não tinha recursos – não tinha papel e só uma caixinha de lápis de cor de 12 cores – e demorei muito pra me desenvolver no desenho.

Vinda de uma família de poucas condições, não tinha como fazer nenhum curso nem comprar materiais. Aliás, nem papel. Desenhava nas páginas em branco de livros antigos que tinham sido de minha mãe.

O melhor material que tive naquela época foi quando uma tia me deu o que sobrou de uma caixa de lápis de cor de 24 cores que tinha sido do meu primo.

No Ensino Médio, fiz o magistério e comecei a trabalhar como professora. Foi quando adquiri meus primeiros livros sobre técnicas. Foi nessa época que comecei a pensar mais seriamente em trabalhar com ilustração.

Mas a vida era dura e tinha que trabalhar. Para garantir que eu tivesse sustento, um professor meu sugeriu que eu estudasse administração. Disse que arte não dava dinheiro. Fazendo faculdade de administração, consegui um emprego melhor.

Porém, meu sonho de trabalhar com ilustração ainda persistia. Depois de alguns anos trabalhando nessa área, decidi que era hora de voltar a perseguir o meu sonho. Prestei vestibular para Belas Artes e Educação Artística. Passei nos dois. Optei por Educação Artística.

No segundo ano, meu marido foi convidado para trabalhar por um tempo na Itália. Deixei o curso de Educação Artística e nos mudamos. Lá, depois de um ano tentando descobrir como me matricular (não foi fácil), consegui passar no vestibular da Accademia di Belle Arti di Venezia.

Quando comecei, percebi o quanto ainda precisava aprender. A maioria dos alunos já tinha estudado artes no Ensino Médio, pois lá existe o Liceu Artístico. Mas não desisti. Continuei estudando, fazendo cursos de aperfeiçoamento… e hoje posso dizer que estou a cada dia melhor, embora eu seja ainda um ‘work in progress’, ou seja, um ‘projeto em andamento’.

O melhor da área de artes é que estamos sempre aprendendo. J

Mas por que contei tudo isso?

Para mostrar que, sim, existem pessoas que nascem com aptidão para o desenho, que conseguem transferir o que veem para o papel facilmente, que aprendem só olhando… Não podemos negar que tem gente que parece que nasceu com o lápis na mão.

Por outro lado, veja Picasso, por exemplo. Todos o achavam um gênio. Era filho de um pintor que, segundo a história, não era nada fantástico. Mas será que Picasso teria sido o gênio que foi se não tivesse passado a infância dele rodeado de materiais artísticos, ensinamentos e experiências com o pai? Ou será que sem essa infância ele não teria pego a bola e se tornado um jogador de futebol?

O que quero dizer é que, o que ele fez foi trabalhar, produzir muito e não desistir. Tinha a firme convicção de que ia conseguir. Começou cedo e com um ambiente favorável ao seu desenvolvimento artístico. Teve a infância inteira para poder experimentar sem julgamento, sem medo de ser criticado. E com um professor 24 horas por dia ao lado dele.

Talento, na minha opinião, é algo que você pode desenvolver. Você pode aprender a desenhar. E quanto mais praticar, melhor vai ficar a cada dia. O que acontece com quem diz não ter talento é que, na verdade, as suas prioridades são outras. Tem gente que não tenta desenhar porque prefere fazer outra atividade.

Acredito que comecei tarde a trabalhar no meu sonho. Embora o que aprendi em outras áreas tenha sido muito útil, e valorizo bastante, pois ajuda na negociação, planejamento, finanças… gostaria de ter aprendido tudo que sei sobre ilustração muito antes. Teria realizado o meu sonho muito antes. Foram muitos anos de estudo autônomo, além da graduação na Itália e dos cursos de aperfeiçoamento…

Mas o que quero dizer com tudo isso é que você também pode realizar o seu sonho. Pode estudar e aos poucos chegar mais perto de realizar o sonho de trabalhar com ilustração.

Estamos numa época em que há muitas oportunidades. Não importa se dizem que você não tem talento, ou que duvidem do seu sonho. Eu recebi muitas críticas de parentes. Alguns diziam que isso não daria sustento, que eu deveria arrumar um trabalho ‘de verdade’, que meus desenhos eram passatempo, e gente que nem entendia de desenho dava palpites nos meus.

Saiba que, se você quer trabalhar com ilustração, basta se programar, estudar e praticar bastante. Com técnicas e instruções, você pode melhorar a cada dia no seu desenvolvimento.

É como a parábola dos talentos: quando você enterra o seu talento, você acaba perdendo ele.

No caso da parábola, há várias explicações para a mesma. Mas podemos tirar essa lição: se você não desenvolve a aptidão que tem, ela fica estagnada.

Para finalizar, uma frase que li certa vez numa camiseta:

Hard work beats talent, when talent does not work hard.

O trabalho duro supera o talento quando o talento não trabalha duro.

Portanto, não se preocupe com talento. Trabalhe duro e constantemente na sua arte. No final de um ano, compare os resultados com o que fazia um ano antes. Tenho certeza de que ficará feliz com seu desenvolvimento. Talento é, pra mim, o resultado da união da sua vontade de aprender com a vontade de fazer.

Planejando sua carreira como Ilustrador

Quando alguém deseja realizar um objetivo ou sonho, geralmente começa a pensar no que precisa fazer para alcançar esse objetivo. Por exemplo, alguém que vai fazer uma festa faz um planejamento e define as tarefas para isso. Começa geralmente com a data, a lista de convidados, define o lugar, a comida, as bebidas, doces, toalhas, mesas, cadeiras, música, fotografia, etc. Dependendo do tema ou motivo, a lista pode ter mais itens ainda.

Do mesmo modo, para planejar uma carreira, é também preciso fazer uma lista (ou um mapa), definir objetivos e datas. É importante determinar quais objetivos deseja alcançar, dentro de um certo período, de modo que, ainda que faça pouco, vá constante e consistentemente dando pequenos passos em direção àquele objetivo.

Se fazemos um planejamento para um evento de um dia, como uma festa, por que não fazer um planejamento e traçar metas para a profissão que vamos exercer a vida toda?

Ingrid Osternack – Ilustradora

1) A primeira coisa que se pode fazer é um mapa ou uma lista de objetivos. Imagine daqui a 5 anos o que gostaria de estar fazendo. Definir uma data limite para si mesmo ajuda muito a ser consistente. Obviamente que os seus objetivos dependem de onde você se encontra hoje. Por exemplo:

Daqui a 5 anos eu:

. estarei formado em artes; ou . terei feito cursos extracurriculares na área de ilustração; ou . estarei com pelo menos 1 – ou mais – livros ilustrados publicados; . terei participado de alguma mostra ou evento de arte; . terei desenhado ou produzido pinturas diária ou semanalmente, gerando assim uma quantidade substancial de obras; . serei um artista reconhecido em minha área; . trabalharei na área de artes e serei bem pago pelo meu trabalho; . terei uma loja que venda minhas artes ou aplicadas em produtos; . terei uma obra em um museu importante; . e por aí vai…

Como eu disse, tudo isso depende do momento em que se encontra. Pode ocorrer também de, no meio do caminho, você desejar mudar seus objetivos, ou até mesmo ampliá-los.

2) Depois disso, é bom você determinar também qual seu objetivo pessoal em relação ao mundo, ou seja: qual o objetivo de minha arte? Pense em algo que tenha impacto – ainda que pequeno – na vida das pessoas. Que marca quer deixar no mundo?

Exemplos: meu desejo é ser reconhecido como um artista em minha cidade natal; ou: quero que minha arte inspire as pessoas; quero fazer parte da infância das crianças; quero que toda casa tenha uma obra minha; quero alegrar a vida das pessoas com minha arte; quero usar recursos que sejam sustentáveis; quero trabalhar somente com mangá; desejo usar meus dons para arte-terapia ou para melhorar a vida de pessoas carentes; gostaria de trabalhar somente com clientes e empresas que tenham valores similares aos meus, etc…

Isso vai ajudar e definir o tipo de clientes que terá e também quais trabalhos aceitará ou não.

3) Quais seriam os passos a tomar para chegar nesses objetivos?

Divida seu grande objetivo em pequenas metas. Muitos percursos são divididos em pequenos trechos. Os períodos escolares não são divididos em 5 aulas à toa. Até mesmo as viagens são divididas em etapas, quando longas. Assim também pode ser sua jornada em direção ao seu sonho. Pense no que precisa fazer para chegar lá e divida em pequenas partes, mas que possam ser feitas em questão de semanas ou meses. Como nós seres humanos geralmente temos a tendência a ser procrastinadores, quanto menor a tarefa, maior a chance de você executar.

Por exemplo:

. Se você deseja trabalhar com licenciamento, faça uma lista de quais lojas virtuais teriam a possibilidade de vender sua arte. . Ou, se você mesmo irá preparar os produtos, onde poderia encontrar fornecedores? Faça contato, visite-os. . Se deseja ilustrar para revistas ou livros, quais publicações ou editoras tem relação com o trabalho que faz? . Que galerias aceitariam as suas obras? Que tal visitar algumas? . Em quais concursos poderia participar? . Que materiais poderia adquirir para realizar seu trabalho? . Há um espaço em sua casa onde possa trabalhar? . Se fosse abrir uma empresa (ou studio), teria um nome diferente ou o seu? . Como iria legalizar sua profissão? Microempreendedor, empresa simples, autônomo? . O que você escreveria em sua biografia? Leia biografias de outros artistas para saber o que escrevem.

Responder a essas questões vai ajudar a visualizar a si mesmo como artista e motivar você a executar cada dia um pouquinho do seu planejamento. E quando menos esperar, estará fazendo o que ama como profissão. 😉

Como iniciar sua carreira de ilustrador

Frequentemente recebo mensagens me perguntando: “o que preciso fazer para me tornar ilustrador”?

Não é uma pergunta fácil de responder, pois cada ilustrador tem seu próprio percurso. Porém, vou citar alguns passos que você pode seguir que considero essenciais.

  1. Desenho versus ilustração

Desenhar e ilustrar estão muito ligados, porém não são exatamente a mesma coisa. Desenhar é produzir uma imagem, seja no papel ou no computador. Ilustrar é transformar um conceito, uma ideia, em um resultado gráfico. Mas para ilustrar, precisamos ter certa habilidade com a produção de imagens. Embora não seja imprescindível você ser um bom desenhista, é importante ter certa habilidade e tem que trabalhar bem com a produção de imagens.

2. Desenhe

Para se tornar ilustrador, o desenho é uma ferramenta importante. Portanto, pratique muito. A prática pode até não levar à perfeição, mas desenvolve pra caramba. Também é possível trabalhar com colagem, técnicas mistas, etc… mas eu diria que o desenho é fundamental para expressar ideias, principalmente se o seu cliente quiser visualizar um conceito antes de você apresentar a arte-final.

3. Digitalize

Se você trabalha com tinta, como eu, é importante que você apresente suas imagens digitalizadas. Há ainda editores que aceitam os originais para eles mesmos digitalizarem mas, por experiència própria, eu mesma prefiro fazer esse trabalho. Uma vez enviei minhas ilustrações para uma editora, pelo correio, pagando o meio mais rápido. A previsão era de 5 dias. Por algum motivo que desconheço, os originais chegaram 59 dias depois. E os correios nem se desculpam. Infelizmente isso prejudicou a data de lançamento do livro. Por sorte eu havia feito a digitalização em casa em alta resolução antes de enviar e pude enviar as minhas. Já imaginou se tivessem extraviado?

Se você não tiver um scanner, pode mandar digitalizar em alguma empresa que faça cópias. Geralmente eles fazem esse trabalho e nem custa muito caro.

4. Estude

Nem todo ilustrador é formado na área de artes ou design. Porém, estudar o mercado, conhecer técnicas, aprender sobre anatomia, história da arte, composição, etc… pode ajudar muito a agilizar o processo de você se tornar ilustrador profissional.

Hoje, com as novas tecnologias, podemos aprender muita coisa sozinhos. Porém, ao fazer um curso, ganhamos tempo, aprendendo com pessoas que já passaram pelos mesmos problemas que nós. E tempo é um recurso que não temos como recuperar.

5. Pesquise

Aprenda mais sobre como os outros ilustradores trabalham. Como solucionam problemas. Como apresentam suas ideas visualmente. Analise estilos e o que fazem que você aprecia. Com o tempo, você vai começar a desenhar incorporando o que mais gostou. E vai criar seu próprio estilo.

6. Portfólio

Depois que tiver feito muuuuuitos trabalhos, escolha os melhores e construa seu portfólio.

7. Divulgue

Divulgue seu trabalho nas redes sociais, faça contatos, envie cópias ilustrações para potenciais clientes. O começo não é fácil. Pode demorar mais de um ano para você conseguir seu primeiro trabalho. Porém, não desista. Tudo que é bom leva tempo.

8. Clientes

Uma vez que você conseguiu seu primeiro trabalho, não esqueça de “colocar tudo preto no branco”, ou seja, tenha um contrato. Analise bem o que está assinando, para que não fique tendo que modificar eternamente uma ilustração, só porque o cliente colocou isso em contrato. Seja profissional e educado. Não fique ofendido com comentários, nem imponha uma ilustração que eles não querem. Isso é prejudicial a você mesmo no longo prazo.

Um cliente contrata um ilustrador para resolver um problema que ele tem. E você faz uma ilustração que é a solução desse problema. Se a sua ilustração não for o que o cliente espera, você não está resolvendo o problema.

Para evitar que você tenha que modificar algum trabalho, apresente rafes para aprovação. Uma vez aprovadas, basta finalizar e entregar.

Como eu falei no início, há muito o que se dizer sobre o universo do ilustrador, mas os passos acima podem lhe dar uma ideia. Eu falo mais sobre isso no meu ebook MANUAL DO ILUSTRADOR INICIANTE, que você pode baixar gratuitamente em Downloads.

Se tiver alguma pergunta, entre em contato! Abs!

Será o fim do mercado editorial, como o conhecemos?

Produção gráfica – Livro Ingresso Especial

Dizem que muitas profissões vão desaparecer no futuro. Essa semana li um artigo falando especificamente sobre a extinção das editoras. Há rumores de que isso vai acontecer com as editoras tradicionais. Várias editoras pequenas fecharam nos últimos anos. E as grandes editoras sofrem com a crise. Mas isso não quer dizer que está o chegando o fim das publicações. Pelo contrário.

Antigamente, o autor não tinha recursos para publicar um livro. Nem financeiros, nem recursos industriais e de distribuição. Quem tinha os equipamentos para impressão eram as editoras. Quem conhecia o caminho de distribuição e venda eram as editoras.

Atualmente, porém, gigantes como a Amazon, por exemplo, tem auxiliado o autor a publicar sem o apoio de uma editora. Hoje é possível publicar um livro e fazer todo o trabalho de divulgação sozinho, sem a necessidade de uma editora. Editoras gigantescas estão oferecendo pacotes de publicação ou co-participação a autores. E como será o amanhã?

Quando eu comecei a ilustrar, eu só tinha que fazer o desenho, pintar e enviar para a editora. Eles faziam o resto. Eu precisava somente do correio. Que, aliás, não desempenhava muito bem suas funções. No meu primeiro livro, tive que contratar uma empresa de transporte privada para entregar as ilustrações, porque os Correios estavam em greve. Em outro livro, as ilustrações só chegaram dois meses depois. Mesmo com a internet, as editoras preferiam receber os originais e só devolviam depois que o livro fosse publicado.

Felizmente, isso é coisa do passado e hoje podemos enviar as imagens de nossas ilustrações para o outro lado do mundo em questão de minutos. Eu mesma enviei ontem várias arquivos para Portugal.

Voltando às editoras, há rumores que vão desaparecer no futuro. Será? Não sabemos ao certo. Porém, independentemente se é verdade ou não, terão que se reinventar.

Se isso acontecer, o que será do trabalho do ilustrador ? Participo de grupos de ilustradores e muitos estão preocupados com o seu futuro. Mas…

E nós, ilustradores, o que podemos fazer?

Embora possamos ficar sentados e reclamar da crise, da falta de oportunidades, temos que lembrar que, ainda que não tenhamos controle sobre as coisas, temos controle sobre nós mesmos e nossas decisões. O que podemos fazer diante de tudo isso? Observar, colher as oportunidades, criar, inventar, se reinventar ?

Tive uma infância cheia de altos e baixos, momentos em que meu pai estava desempregado, crise no país, falta de emprego, fez com que eu refletisse sobre o que poderia fazer para prevenir essa situação. E foi por isso que fiz Administração antes de Belas Artes. Foi uma escolha por necessidade. Embora eu tenha adiado o meu sonho, me ajudou muito a olhar as circunstâncias sob outra perspectiva. Hoje isso me ajuda muito na profissão. Aprendi vários aspectos administrativos e financeiros que hoje são muito úteis no meu trabalho.

Durante todos esses anos que trabalho como ilustradora, busquei aprimoramento em áreas relacionadas ao mercado editorial. Procurei aprender o máximo que pude do processo gráfico. Visitei gráficas, aprendi processos… e tenho que continuar aprendendo, pois a cada dia há novidades que mudam tudo o que aprendemos. Novas máquinas, novos processos…

Hoje posso fazer um livro de cabo a rabo e o autor não precisa mais de uma editora para viabilizar seu sonho. Isso é um diferencial que podemos aprender. De fato, é algo que considero importante para se destacar no mercado de trabalho.

Mesmo no mundo digital, publicar um livro ‘físico’ ainda é a realização de um sonho para muitos autores, Expor suas ideias às pessoas, entreter com uma história, levar à reflexão, promover mudanças, transformações, até mesmo fazer parte de vida de milhares de pessoas e deixar sua marca no mundo. Como ilustradores, podemos auxiliar nesse processo. Não somente no processo de produção. Mas estamos aptos e conduzir o leitor, auxiliar no entendimento do texto, do conceito, da ideia, a promover a reflexão através das imagens que produzimos.

Podemos buscar mais conhecimento e experiência nessa área, como também na área de e-books, no licenciamento de imagens…

E isso é fácil?

Nada que tenha muito valor é fácil. Para ser um grande atleta, há muito sacrifício e treino. Para ser um pianista, são necessárias horas e horas de prática. Para ter um corpo sarado, muito treino na academia. E por que seria diferente com a nossa profissão?

É necessário muito empenho e trabalho duro. Não basta produzirmos um ‘desenhinho’ por semana. Se queremos ser profissionais que se destacam na área, temos que encarar nossa trabalho como trabalho, e não hobby.

Eu acredito que o ilustrador vive uma época de grandes oportunidades. Tudo que vemos tem uma imagem. Os clientes estão sempre buscando novidades. Basta produzir e divulgar que os resultados virão. :-*

Planejamento é tudo!

Quando pensamos em uma viagem, geralmente começamos a planejar os detalhes: data em que acontecerá, se estaremos em férias, quem vai conosco e se também estarão em férias, preço das passagens, hospedagem, o que vamos comer e também pesquisamos sobre o local, para aproveitar o máximo possível.

Se isso acontece para um evento que dura alguns dias, me pergunto por que algumas pessoas não planejam sua vida profissional, ou seja, no que vão trabalhar o resto de suas vidas.

Embora seja possível mudar de profissão depois de algum tempo, é muito mais fácil planejar o quanto antes para se trabalhar com o que se gosta. Eu mesma mudei de profissão. Como já contei aqui, eu não tinha informações suficientes e acabei estudando Administração e Marketing antes de me voltar à ilustração infantil. Mas às vezes me pergunto onde estaria se eu tivesse me planejado melhor e se tivesse começado mais cedo.

Mesmo para quem está atualmente trabalhando em outra área, começar a planejar seu próximo passo em direção ao que se gosta pode ser o pontapé inicial para a desejada mudança de vida.

Dizem que Benjamin Franklin falou que “se você falha em planejar, planeja falhar”. Eu alterei um pouco a frase para ficar mais positiva e se tornar um incentivo para nós.

Quantas vezes temos vontade de fazer algo e acabamos não fazendo nada porque não sabemos o que devemos fazer? Planejar nossos passos é a melhor maneira de conseguir um objetivo.

Nossos sonhos podem ser alcançados se a cada dia dermos um passo. Os nossos objetivos não precisam ser atingidos em questão de dias. Podemos fazer um planejamento de longo prazo e a cada dia realizar uma parte.

Por exemplo, se você deseja começar a trabalhar na área de ilustração, qual seria o primeiro passo para isso? Um curso, um livro, fazer uma ilustração por semana?

Para isso, fazer um planejamento, com datas definidas, pode ajudar muito.

O meu objetivo aqui é ajudar a quem procura informações sobre a minha área, que é a de ilustração infantil. Para isso, também produzi um e-book com algumas informações sobre os primeiros passos para quem sonha em trabalhar nessa área. Se desejar, baixe o meu e-book onde dou mais dicas sobre a carreira de ilustrador infantil. Com as informações que lá estão, você pode começar a fazer um planejamento e, antes do que imaginava, estar trabalhando com o que gosta, vivendo da sua arte!

Materiais para Ilustração

Cada ilustrador utiliza o material que mais gosta para realizar suas ilustrações. Muitos utilizam vários e isso enriquece bastante o trabalho.

Escova, Giz, Cor, Atelier, Pintura, Colorido

Se o seu desejo é se tornar um ilustrador digital, é necessário adquirir o software ou fazer a assinatura para obter a ferramenta do seu trabalho. Há quem utilize o Illustrator, Photoshop, Corel, Procreate, etc… Cada um tem suas vantagens e desvantagens. Nesse caso, talvez não precise do scanner, mas pode vir a ser útil para digitalizar esboços. Embora não seja essencial, uma mesa digitalizadora agiliza em muito o trabalho.

Sobre esses softwares, antigamente eram adquiridos e você podia usar o resto da vida (ou enquanto seu computador fosse compatível, rsrs). Atualmente, alguns deles cobram uma mensalidade, o que pode ser inviável para o ilustrador iniciante. Existem uma versão do Corel para estudante, mas tem algumas limitações. Porém, dependendo do que você faz, pode ser uma ‘mão na roda’. Há também a possibilidade de utilizar alguns desses softwares por um mês, para teste.

No caso de ilustrações feitas à mão, que eu vou chamar de artísticas, feitas através de ‘processo artesanal’ (até o momento foi a única maneira que consegui explicar às pessoas o meu processo), você precisará adquirir papel, tintas, pincéis, lápis para esboço, markers (se for o caso), lápis aquareláveis, pastéis, etc. Eu utilizo também tecidos, pequenos objetos e papéis coloridos.

O papel que eu utilizo como base tem a gramatura alta, pois do contrário ele fica ondulado e prejudica não só a aparência da ilustração, mas também dificulta na hora de digitalizar.

Eu gosto da tinta acrílica e as marcas que mais utilizo são Maimeri e Brera, Liquitex e Cryla. A minha preferida é a Maimeri Polycolor, que pode parecer cara no início, mas dura tanto tempo que compensa financeiramente.

Resultado de imagem para maimeri polycolor

No entanto, existem marcas boas que são feitas na China, como a Lefranc & Bourgeois. Já usei muito a Pebeo, mas a que é vendida no Brasil parece ter menor quantidade de pigmento e não me permite dar efeitos e texturas que me agradam na ilustração.

Já usei muito as tintas brasileiras e são de qualidade. São mais brilhantes, o cheiro é um pouco mais forte e acho que se assemelham às tintas Pebeo na consistência. Um ponto a se considerar como uma enorme vantagem: são muito econômicas e perfeitas para quem está começando.

Gosto de pincéis chatos e retos, mas uso os de ponta de redonda para acabamentos. Tenho pincéis com cerdas dos mais variados tipos, e utilizo dependendo do efeito que desejo dar.

Os lápis de cor que utilizo são geralmente aquareláveis, mas o importante para mim é que apareçam sobre a tinta acrílica. A não ser que faça ilustrações totalmente com lápis de cor, você não precisa investir numa caixa enorme. Uso de diversas marcas e você pode comprar as cores que mais utiliza, individualmente.

Geralmente, os materiais que utilizo duram bastante tempo. Os pincéis que mais uso são da Condor, porque gosto do efeito que permitem. São também mais em conta do que os importados, e comparando com alguns, são de melhor qualidade. Comprei alguns pincéis importados que soltaram as cerdas, e outros que a tinta do cabo soltou toda, permitindo que a madeira absorvesse a água. Isso faz com que fiquem mais frágeis e quebrem mais facilmente.

Enfim, o importante mesmo é que você encontre um material que lhe possibilite chegar ao resultado que deseja. Vemos artistas que fazem obras lindíssimas com areia, terra e até lixo. Portanto, sugiro que experimente aquilo que lhe dá mais prazer em usar e que lhe proporcione um bom resultado.

Se desejar saber mais alguma coisa sobre os materiais que utilizo, entre em contato. 🙂

O artigo acima faz parte do meu E-book “Primeiros Passos do Ilustrador Profissional”. Clique aqui para baixá-lo.