Esta semana respondi a uma pergunta interessante.

Vale a pena ilustrar um livro e receber o pagamento em exemplares?

Atualmente há muita facilidade em publicar um livro. As editoras não dominam mais esse mercado. Autores podem publicar o que desejarem, sem precisar passar pela aprovação de uma editora. É o que se chama “vanity publishing”. Eu mesma já ajudei a produzir vários livros para autores independentes.

Tenho observado que essa prática está aumentando muito. O desejo de publicar um livro e realizar um sonho é grande e muitos autores e ilustradores tem recorrido a essa estratégia. Em alguns casos, o autor contrata o ilustrador e produz o livro todo.

Porém, há casos em que o ilustrador entra com o trabalho, o autor com o valor da gráfica e cada um recebe exemplares como pagamento. Aí, se revezam vendendo nos eventos culturais da cidade. Quando há uma editora envolvida, geralmente é uma editora sob demanda e entra com o design gráfico e venda online. 

Para o ilustrador, porém, nem sempre é uma boa alternativa, pois assim como qualquer outra pessoa, precisa dos recursos financeiros para pagar as contas. O ilustrador faz o que faz para viver, não é um hobby, e seu trabalho não é vender livros.

Essa estratégia parte muitas vezes dos autores, pois eles têm outra fonte de renda – muitos são professores – e a publicação seria um “sonho” a se realizar. Mas a ilustração é o ganha-pão do ilustrador, que nem sempre tem outra fonte de renda. Também vale lembrar que, não é porque gostamos do nosso trabalho, que a “satisfação” paga a luz e a água… 🙂

Às vezes o autor, para conseguir publicar, acaba pagando até mesmo a editora, o que eles têm chamado de co-participação.

Ilustrar e vender são dois trabalhos diferentes. Para vender livros é necessário ter um círculo profissional e de amizades que permita que se venda o seu livro. Se o livro for de interesse de muitas pessoas, e tiver boa saída, a edição autoral é uma excelente alternativa para o autor. Porém, é preciso um lugar para estocar e oportunidades para vender.

Já no caso do ilustrador, vamos pensar: se as editoras já se empenham de várias formas para vender, com toda estrutura que possuem, imagine ele(a) usar seu tempo para focar nessa parte comercial? Também há que se analisar os valores: se o profissional receber, digamos, 300 exemplares como pagamento, e o preço de capa for 25,00 reais, teria como renda final 7.500,00 reais. Porém, isso viria aos poucos, com esforço de venda, se o livro for interessante e tiver boa saída. Mas é tempo que estará deixando de ilustrar. E tempo que poderia estar ilustrando e recebendo por esse trabalho.

Só pra ter uma ideia, se o ilustrador conseguir vender um livro por dia, ao fim de aproximadamente 10 meses, terá recebido o valor total. Considerando esse cenário, conseguiria vender pelo menos um livro por dia? 30 livros num mês? É algo a se pensar.

São alguns questionamentos que me faço, a serem considerados antes de aceitarmos uma proposta desse tipo. 

Há quem se apaixone por um projeto e faça o trabalho independentemente do que vai receber. E considere os exemplares um bônus. Mas aí é uma outra história.

Para algumas propostas, respondo na brincadeira, usando uma frase atribuída a Cacilda Becker: “ não me faça dar a única coisa que tenho para vender”.

O que eu sugiro em um caso assim: faça uma contraproposta. Nem sempre dará certo. Porém acho que vale mais a pena receber em dinheiro, ainda que parcelado. Mas… é só uma opinião. O que funciona para um não é necessariamente o que funciona para outra pessoa. Se tiver uma opinião diferente, ou quiser compartilhar uma experiência, escreva nos comentários. Abs!

Uncategorized

Vale a pena receber o pagamento em exemplares?

Gallery